Trabalho do músico (para Martin Eikmeier)

Nada trágico,

ele extrai música

da consciência do sacrifício.

A harmonia como negação produtiva,

o que deixou de ser,

uma recusa,

a escolha torta,

anti-encantatória,

desvio para a verdade

a beleza do que termina.

Daí a melancolia

no contraponto do riso.

Ninguém ouve e divaga assim

através das coisas,

na diversão do

trabalho perdido,

nas sequencias que matematiza,

até que soa

a mais simples e oculta

Melodia.

Por que o teatro?

Ele sabe

Tem o coração largo,

e o pensamento bom,

seu tempo não é do nosso mundinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *